Boa parte do sucesso de um empreendimento comercial está na sua localização. Empresas que funcionam em pontos específicos da cidade, como em áreas de grande movimento ou próximas a pontos de interesse têm mais chance de prosperar em um mercado cada vez mais competitivo.

No entanto, além do trabalho necessário para encontrar o local ideal para o seu negócio, alugar um imóvel comercial demanda cuidado com algumas questões burocráticas. A principal delas é o contrato de locação, que deve ser elaborado com atenção, para proteger tanto quem aluga, quanto o proprietário, que precisa ter as garantias de que terá seu bem preservado e receberá os valores combinados.

Para facilitar esse processo, trouxemos neste post recomendação do que fazer para não errar na hora de fechar negócio. Confira!

1. Analise o imóvel de maneira cuidadosa

O caminho até encontrar o imóvel desejado pode ser longo. É necessário considerar a localização, o preço, o tamanho a infraestrutura necessária para o funcionamento do negócio antes de definir quais são as opções viáveis para locação e encontrar aquela a mais próxima possível do que é considerado ideal.

Essa avaliação deve incluir a facilidade para consumidores, funcionários e fornecedores chegarem e saírem do local, a existência de serviços necessários ao negócio nas proximidades e se o público-alvo do estabelecimento frequenta aquela região.

A disposição interna da sala ou do prédio deve atender as necessidades de acordo com o ramo de atividade do empreendimento. Já o estado de conservação, incluindo a parte elétrica e hidráulica, precisa estar em boas condições.

2. Coloque tudo no papel

Com essa análise feita e o imóvel mais perto do ideal escolhido, é importante colocar todas os requisitos do negócio no papel. E isso é indispensável mesmo que a locação seja feita com um conhecido ou uma pessoa de confiança. Ainda que ambas as partes não suspeitem das intenções um do outro, a dispensa do contrato compromete a segurança do negócio e coloca em risco o interesse de todos.

Para que um contrato cumpra sua função, devem constar nele alguns pontos específicos. O primeiro deles é a identificação precisa das partes envolvidas no negócio. Isso deve incluir nome, RG, CPF ou CNPJ, endereço, filiação, profissão as e formas de contato do locador, do locatário e dos fiadores ou de qualquer outro tipo de garantia escolhido. O imóvel objeto do contrato também deve estar descrito com clareza, incluindo sua localização.

No tópico seguinte, precisam estar listados os direitos e deveres de cada um dos citados no contrato. Todos os acordos fechados durante a negociação devem ser incluídos aqui, incluindo eventuais descontos no aluguel ou alguma outra condição especial para pagamento ou uso da propriedade.

Junto com a data de pagamento e o valor mensal referente ao aluguel, o documento precisa indicar qual será o índice de reajuste adotado a cada 12 meses para corrigir o valor cobrado. Normalmente, o indicador escolhido para contratos de locação de imóveis é o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado).

Outras cláusulas importantes são aquelas que detalham e estipulam as punições em caso de descumprimento de algum ponto do acordo e as que determinam o prazo de locação do imóvel. Vamos detalhar esse segundo ponto no tópico a seguir.

3. Observe os prazos

A falta de conhecimento sobre as regras que regulam o mercado de locação de imóveis comerciais faz com que muitos locatários cometam um erro primário e não exijam um prazo de pelo menos 5 anos ao assinar o contrato. Esse prazo garante que o contrato seja renovado compulsoriamente quando estiverem faltando entre 6 e 12 meses para o encerramento, mediante comunicação dos interessados.

Todavia, no processo de definição do prazo de vigência da locação é importante ponderar os benefícios entre contratos longos que permitem a renovação compulsória e os mais curtos, que excluem isso. O locatário deve considerar sua situação para entender se a renovação compulsória nos contratos de 5 anos é mais vantajosa que a eventual necessidade de ter que devolver o imóvel antes do prazo e arcar com uma multa devido a isso.

Para garantir o direito à renovação compulsória depois do quinto ano, o inquilino precisa observar outro prazo. A legislação prevê que o imóvel deve ter sido utilizado por pelo menos 3 anos seguidos para o exercício do mesmo ramo de atividade comercial.

4. Registre o contrato de locação em cartório

Com todos os pontos definidos, o passo seguinte é registrar o contrato de locação no cartório. Esse ato deve ser realizado de preferência no cartório no qual a matrícula do imóvel está registrada.

Isso garante a validade do documento e reforça algumas garantias, como a preferência para a compra da propriedade e a certeza de que um eventual novo proprietário respeitará as condições determinadas até o fim do período determinado.

Essa preferência de compra se dá da seguinte forma: caso o proprietário manifeste interesse em negociar o imóvel e receba uma proposta, ela deve ser comunicada ao inquilino, que tem até 30 dias para informar se deseja ou não cobrir a oferta e fazer a aquisição. Nas situações em que essa regra não é respeitada, o locatário pode exigir uma indenização.

5. Conte com ajuda especializada

Qualquer contrato, por mais bem redigido que tenha sido, pode levantar questionamentos. Além disso, a linguagem adotada nessas documentações não costuma ser a das mais simples e diretas, principalmente para que não tem o hábito de lidar com esse tipo de negociação.

Por isso, é importante contar com ajuda especializada para esclarecer pontos antes de fechar o contrato e garantir que ele esteja de acordo com o prevê a legislação. O mesmo cuidado deve ser aplicado ao momento da renovação. Se esse trâmite é importante na hora de renovar o acordo em um imóvel residencial, imagine em um estabelecimento comercial, que depende muito da localização para ter bons resultados.

Esse respaldo jurídico depende tanto da consulta constante de advogados, quanto da intermediação de uma imobiliária com uma boa reputação no mercado. Essas empresas contam com corretores capacitados para prestar toda assistência necessária na condução do negócio, do início ao fim. Dessa maneira, todos os envolvidos podem aproveitar de forma mais tranquila as melhores oportunidades do mercado imobiliário.

Você costuma observar algum ponto específico antes de fechar um contrato de locação que não foi mencionado no post? Então nos conte qual é no espaço para comentários logo abaixo!